Reflexões e artigos sobre o dia a dia, livros, filmes, política, eventos e os principais acontecimentos

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Cenário eleitoral caminha para ruptura na política francesa

MATHIAS DE ALENCASTRO
ESPECIAL PARA A FOLHA

04/02/2017 02h00

As eleições presidenciais de 2017 prometem ser um momento de ruptura na história política francesa. Destacam-se três movimentos de consequências imprevisíveis.
O primeiro movimento é a incapacidade dos grandes blocos sob os quais se estruturam o bipartidarismo da Quinta República, o conservador Republicanos e o social-democrata Partido Socialista, de lançar candidaturas fortes e hegemônicas.
Eric Feferberg - 27.nov.2016/AFP
French member of Parliament and candidate for the right-wing primaries ahead of the 2017 presidential elections, Francois Fillon, walks out out the voting booth in a polling station in Paris, on November 27, 2016, during the second round of the primary. France's conservatives hold final run-off round of a primary battle on November 27 to determine who will be the right- wing nominee for next year's presidential election. / AFP PHOTO / POOL / Eric FEFERBERG
O candidato conservador, Francois Fillon, que foi atingido por um escândalo
No Republicanos, a alquimia parecia ter funcionado com a designação de François Fillon, que derrotou duas lideranças históricas nas prévias do partido com um programa que repensa o lugar do Estado na economia política francesa.
Fillon, no entanto, teve a sua candidatura atingida por uma denúncia na semana passada. Independentemente do desenlace desse caso –a permanência de Fillon ou a sua substituição por outro candidato– o partido perdeu o status de favorito.
No Partido Socialista, as prévias, concluídas no domingo passado, consolidaram, em vez de atenuar, as divisões entre os reformistas, defensores do legado de Hollande, e os contestadores, liderados pelo vencedor das primárias, Benoit Hamon.
O Partido Socialista parece fadado a atravessar uma guerra fratricida à imagem da que afeta o Partido Trabalhista britânico desde que o radical Jeremy Corbyn capturou o partido dos herdeiros do ex-premiê Tony Blair.
O segundo movimento é a emergência de Emmanuel Macron, candidato tão surpreendente quanto atípico. Tecnocrata quarentão, Macron rompeu com o governo Hollande, onde serviu como ministro da Fazenda, e apostou numa carreira política no final do ano passado.
Esta foi uma decisão recebida com ironia pela classe política, que acreditava ser impossível emplacar uma campanha sem aparelho partidário na chamada "França profunda".
Na semana passada, Macron passou Fillon nas sondagens como o candidato mais apto a derrotar Marine Le Pen, do partido de extrema direita Frente Nacional, no segundo turno. Seus comícios atraem milhares de pessoas.
Macron, no entanto, navega mal por questões de segurança pública. Uma lacuna importante num contexto em que incidentes como o de ontem colocam o terrorismo no cerne do debate.
François Nascimbeni - 03.set.2016/AFP
French far-right party Front National (FN) President and member of the European Parliament, Marine Le Pen looks on as she delivers a speech on September 3, 2016 during a FN political rally in Brachay, northeastern France. Marine Le Pen accused former French president Nicolas Sarkozy to "allegiance" to the king Salman of Saudi Arabia "global promoter of Wahabism". She also reiterated that she would hold a referendum on the membership of France in the European Union if she is elected President of the Republic in 2017. / AFP PHOTO / FRANCOIS NASCIMBENI ORG XMIT: 164
A candidata de extrema-direita, Marine Le Pen
O terceiro movimento é a densificação do eleitorado das candidaturas antissistema. Le Pen adotou uma estratégia de normalização, revendo as suas posições em questões sociais como o aborto e o casamento homossexual.
E o candidato de extrema esquerda da França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, desenvolveu uma abordagem inovadora nas redes sociais para interagir com os jovens da periferia.
As candidaturas antissistema têm potencial para conquistar 40% dos votos no primeiro turno das presidenciais. Se adicionarmos os 20% atribuídos a Emmanuel Macron, os partidos tradicionais parecem condenados a competir por um terço dos eleitores. Antigamente, republicanos e socialistas monopolizavam mais de metade dos votos.
Na França, as eleições legislativas, de importância crucial para a sobrevivência de um partido, são realizadas logo depois das presidenciais. Isso significa que, se o candidato do Partido Socialista ou dos Republicanos tiver um desempenho catastrófico, o partido corre o risco de perder a sua base no Parlamento.
O desaparecimento de um desses partidos do mapa político ditaria o fim do bipartidarismo na França. Um movimento de placas teutônicas que teria impacto em toda a Europa.
MATHIAS DE ALENCASTRO é doutor em Ciência Política na Universidade OxfordAs 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acessos ao Blog

Post mais acessados no blog

Embaixada da Bicicleta - Dinamarca

Minha lista de blogs