Reflexões e artigos sobre o dia a dia, livros, filmes, política, eventos e os principais acontecimentos

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Hidrovia fomentando o desenvolvimento

Osvaldo Campos Magalhães*
Elaborado há mais de 15 anos pelo Governo da Bahia, o Plano de Fomento do Vale do São Francisco, permanece esquecido, enquanto outros projetos não tão relevantes para o desenvolvimento da Bahia, como o da ponte Salvador Itaparica, recebem vultosos recursos públicos.
Partindo da premissa que a revitalização da hidrovia do rio São Francisco, inicialmente entre as cidades de Ibotirama e Juazeiro e depois, chegando até Pirapora em Minas Gerais, seria o ponto de partida para fomentar o desenvolvimento de uma vasta região do estado, onde vivem mais de seis milhões de baianos, a grande maioria ainda em precárias condições sociais e econômicas, o Plano de Fomento do São Francisco ganha nova oportunidade com o estudo que vem sendo desenvolvido pelo Banco Mundial.
Em workshop realizando entre os dias 9 e 11 de abril em Salvador, que contou com a presença de produtores agrícolas, industriais, técnicos do governo e do Banco Mundial, foram apresentados os mais recentes estudos e dados sobre o projeto do Corredor Multimodal de Transportes do Vale do São Francisco.
Atualmente, as condições de navegação no rio estão muito precárias, e, apenas uma empresa, a ICOFORT, permanece movimentando cargas na hidrovia, transportando apenas cerca de 50 mil toneladas de caroço de algodão. A Caramuru, líder na distribuição de derivados de milho e soja no Nordeste desativou a unidade industrial que operava na região e o transporte de soja que realizava na hidrovia. Também adiou os investimentos numa nova unidade industrial que seria implantada em Juazeiro, devido às precárias condições de navegação na hidrovia. O desmatamento das matas ciliares nas margens do rio, provocando assoreamento, as restrições hidrológicas e a falta de investimentos públicos na manutenção do canal de navegação podem provocar a completa desativação do transporte de cargas na hidrovia.
Por outro lado, segundo dados apresentados pelo presidente da AIBA, Associação que reúne Irrigantes e Produtores do Oeste da Bahia, cerca de 4.5 milhões de toneladas de grãos produzidos no oeste baiano e que se destinam ao mercado nordestino poderia utilizar o modal hidroviário, no trecho Ibotirama Juazeiro, viabilizando economicamente a hidrovia do rio São Francisco e possibilitando o resgate do Plano de Fomento do São Francisco.
A principal dificuldade apresentadas durante o workshop em Salvador, para reativar a hidrovia, foi o enorme emaranhado de órgãos públicos que atuam no setor, e, uma das alternativas apresentadas no workshop, seria a liderança do Governo da Bahia, viabilizando o trecho inicial entre Ibotirama e Juazeiro.
Ao longo dos últimos 20 anos, a hidrovia do rio São Francisco sempre foi incluída entre os projetos de infraestrutura do Governo Federal. Recebeu recursos dos programas Brasil em Ação e do Avança Brasil, durante o governo FHC e dos PAC I e II nos governos Lula e Dilma. A forma como estes recursos foram aplicados merece uma indagação. Faz-se necessária a liderança do governo da Bahia e um rígido controle dos investimentos a serem realizados.
 O Banco Mundial se dispõe a financiar o projeto que deve ser encarado como uma grande oportunidade de promover uma vasta região do semiárido baiano. Inicialmente o setor público realizaria os investimentos, com o apoio do Banco, realizando dragagem, derrocamento de pedrais e reconstituição das matas ciliares. Posteriormente o setor privado assumiria a operação da hidrovia e dos terminais portuários. Faz-se necessário também impedir a desativação do trecho ferroviário entre Juazeiro e o porto de Aratu.
Num momento de definição das candidaturas ao Governo do Estado, o resgaste do Plano de Fomento do Vale do São Francisco e sua incorporação aos Planos de Governo que serão apresentados pelos candidatos tornam-se de extrema relevância para o desenvolvimento da Bahia.
O apoio do Banco Mundial ao projeto e o engajamento dos produtores agrícolas e dos industriais é uma garantia para a viabilização que necessita de uma forte liderança do governo da Bahia.

*Membro do Conselho de Infraestrutura da FIEB


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acessos ao Blog

Post mais acessados no blog

Embaixada da Bicicleta - Dinamarca

Minha lista de blogs