Reflexões e artigos sobre o dia a dia, livros, filmes, política, eventos e os principais acontecimentos

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

MP incentiva Térmica a Carvão

17/10/2016 às 05h00 

Daniela Chiaretti

A Medida Provisória 735, que modifica pontos de diversas leis do setor elétrico e deve ser votada no Senado até terça-feira, embutiu um artigo que estabelece um programa de incentivo a termelétricas a carvão. A reação ambientalista é armar uma estratégia para convencer os senadores a votarem contra a emenda. O carvão é o combustível fóssil que mais emite gases-estufa.
"Neste momento, em que o mundo todo parece caminhar para um futuro de baixas emissões, o Brasil corre o risco de dar um passo atrás, investindo no setor mais poluente do planeta", disse Ricardo Baitelo, coordenador de clima e energia do Greenpeace Brasil, em nota divulgada pelo Observatório do Clima, rede de 40 ONGs que trabalha a questão climática no contexto brasileiro.
Há menos de um mês de o Brasil ter ratificado o Acordo de Paris e há poucos dias de o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgar que não irá mais financiar termelétricas a carvão e óleo combustível em suas novas regras para o setor elétrico, o artigo 20 da MP 735 surpreendeu ambientalistas."Temos que cumprir a meta brasileira e reduzir emissões de gases-estufa além de aumentar as energias renováveis na matriz, e mal comemoramos o avanço do BNDES, que veio esta surpresa", diz Andre Nahur, coordenador do programa mudanças climáticas e energia do WWF-Brasil.
Em junho, o então presidente interino Michel Temer editou a MP 735, que modifica leis do setor elétrico e facilita a privatização de empresas. Em 11 de outubro a Câmara aprovou o projeto de lei de conversão da MP que agora deve ser votado no Senado. O projeto recebeu mais de 120 emendas, sendo 35 as incorporadas. O prazo final da MP é 20 de outubro.
O projeto original da MP, lembra Nahur, propõe mudanças na regulamentação do setor elétrico buscando a privatização de várias distribuidoras. "O texto original previa apoio a termelétricas de biomassa mas não tinha este artigo de apoio ao incentivo à geração a carvão", continua.
O pomo da discórdia é o artigo 20. Por ele estabelece-se um "programa de modernização do parque termelétrico brasileiro movido a carvão mineral nacional para implantar novas usinas que entrem em operação a partir de 2023 e até 2027." A tal modernização, estima-se, pode custar US$ 5 bilhões nos próximos 10 anos. A emenda prevê, contudo, que as novas usinas reduzam em no mínimo 10% o CO2 produzido durante a queima do carvão em relação aos níveis atuais.
O parque termelétrico movido a carvão mineral nacional tem usinas com idade média de 38 anos, diz Fernando Zancan, presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM). Localizadas no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, somam 1750 MW. "Propusemos um programa de modernização do parque. Discutimos com o governo e o apresentamos ao Legislativo", diz Zancan.
"Ninguém é contra as renováveis. Mas há que se definir uma matriz de energia que seja equilibrada e a baixo custo", defende.
As usinas a carvão são responsáveis por 46% da emissão de gases-estufa por uso de energia no mundo, "mas há tendência internacional contrária a este movimento", diz a nota do Observatório.
"O tempo está apertado, mas há vários senadores contrários ao artigo", avalia o ambientalista Marcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acessos ao Blog

Post mais acessados no blog

Embaixada da Bicicleta - Dinamarca

Minha lista de blogs